Vida só para mim

É exatamente como me sinto: só. Mas é uma solidão engraçada, estranha e trágica que eu mesma quis entrar. As pessoas me falam para amolecer o coração, que é amargura demais para alguém que mal se livrou da adolescência. Eu vivo uma vida só para mim. De mim para mim, na verdade. Não questiono mais com que deveria estar. Questiono quem quer estar comigo, quem me cobra algo que não devo. Questiono quem me cobra presença. Quem me cobra respostas. Se eu soubesse responder a todas as minhas dúvidas, meu bem, com certeza não estaria escrevendo absolutamente nada. Muito menos questionando meio mundo. Eu vivo uma vida só para mim, eu já disse isso? É claro que eu espero por alguém que me desperte sensações intensas, que me dê domingos de tardezinha debaixo de um cobertor e que não me faça desprender do que já era meu, por direito. Mas o erro não é esperar: é procurar. Eu sempre fui fria com essas coisas. Essa coisa que falam de "procurar a alma gêmea". Eu acho que se isso existe (ok, eu acredito e muito) uma hora aparece. Mas é o tal negócio: eu não procuro e nem quero. Eu não preciso de um fato novo na minha vida, não saío todos os dias de manhã em busca disso. Eu apenas aguardo. Mas não cobre de mim. Não peça a minha atenção mais do que já dou. Entenda que eu não vou deixar de viver por ninguém. Eu já não sou de mudar de opinião, quem dirá mudar gostos e manias por um alguém. Depois que ele se foi, deixando metade do que eu tinha de "quente" nele, eu preciso primeiro entender o que significará para mim dizer "eu te amo" para depois dizer. Essas coisas de se jogar de cabeça não dão muito certo comigo, muito menos planejar um amor. Marcar encontros ou cobrar ligações nunca foi minha praia. Deve ser por isso que vivo sozinha. Ou não, as pessoas tem que aceitar as outras como são, não é mesmo? E por mais errado que isso seja, eu sou assim. Eu não sei medir transparência de palavras muito menos integridade em justificativas. Nunca acreditei em "te amarei para sempre" até o dia que perdi alguém. Nunca desconfiei de nada do que acreditava. Sempre cobrei de mim a pessoa que sou. Eu sei que é hora de aceitar o que está na minha frente, de não andar em direções opostas de quem quer estar comigo. Mas eu não vejo graça em ser uma pessoa fadada a expectativas, esperando sempre um beijo antes de dormir e um "Amo você" ao acordar. Eu ainda choro por filmes românticos. Ainda sinto falta de ter a quem amar. Mas eu não vou me entregar ao destino por algo que, ultimamente, não me comove mais.

CONVERSATION

1 comentários:

  1. todos nós passamos por essa fase ana, ou pelo menos os meros romanticos que a cada minuto querem cortar os pulsos (sim, nós somos praticamente personagens principais dessa trama toda), viva-a intensamente, aprenda, ensine sobre voce, esse é o momento, o momento em que voce deve refletir sobre tudo, sem rótulo a nada.
    ah, na real, nao fique questionando quem está ou nao com voce de verdade, apenas esteja com as pessoas, independentemente se isso lhe fará bem ou mal, todo mal vem para um bem.
    e aquele clichêzinho pra acabar, saiba, eu sempre vou estar do seu lado, tenho a chave do seu carro, lembra?
    minha irma de alma.

    ResponderExcluir

Back
to top