Eu não te deixo. Queria te abandonar, mais uma vez, como naquela tarde de chocolate amargo. É, eu queria te dizer tudo o que mora aqui. Mas pra que perder tempo mais uma vez nisso, se tudo não passa de uma grande e iludida história de amor? Amor ? Houve. Mesmo com todos os telefonemas que eu esperava, todas as coisas que eu queria que ficassem claras. Droga. Droga de verdade. Tudo culpa desse frio. Dessa garoa. Chá de camomila, cobertor xadrez e meias de dedinhos. Ah, como eu queria ver você surgindo na minha porta, implorando pra se aquecer. Como eu queria que você voltasse a descansar seus olhos sobre mim. Hoje todo mundo tava apaixonado. Cara, como isso me irritou. Uma data e nada mais. Um dia e um último suspiro. Pobres coitados. O amor acaba tão rápido e nem se torna carinho. Torna mágoa, saudade. Porra, como me dói sentir saudade de você. Eu queria te ver aquecido. Não me lembro quantas vezes eu disse pra mim mesmo que te queria de volta. Eu não lembro mesmo. Eu queria acabar com toda essa desgraça. Esses pensamentos que me remetem a você. Pois é. Agora eu já nem sei mais que dia é hoje. Ou que foi ontem. Onde é que você ficou hoje? Eu te procurei pelas cartas, pelas fotos e cheiros. Preciso de você. De vez em quando, não todo dia. Mas você me cansa. Eu não aguento mais ouvir tua voz na minha cabeça. Não aguento lembrar do seu cheiro. Eu passo mal. Quero teu silêncio, tuas frases vazias. É, só quero isso. Que mal há em querer mais do que uma simples lembrança?

CONVERSATION

0 comentários:

Postar um comentário

Back
to top