Fim de ano

No ultimo dia do ano, as coisas parecem ficar mais claras. É tão cliche que chega a parecer irreal. Mas, na verdade, todos sabemos que realmente acontece. Depois de 365 dias, o que ficou claro foi de todas as coisas que eu fiz. Fiquei meses sem trabalhar sem ter dinheiro nem pra passagem do onibus. Na faculdade, eu quase não aparecia e quando aparecia, não estava nem aí. Depois de uma promessa banal, consegui um emprego e encontrei a pessoal certa. Na faculdade, minhas melhores notas apareceram. Mas não é tão simples assim. E os tropeços no meio do caminho? E as falsas acusações sobre quem você é, onde ficam? Minha autoestima nunca foi tão baixa. Meu amor nunca foi tão reprimido. Minha loucura nunca foi aceitável. Ficou claro que o tempo não muda nada, nem ninguém. Que tudo é questão de "deixa ser" e "deixa estar". Nada do que você faz ou fez será relevante. O que vale é apenas o que o outro fez. Por mais feliz que eu fui, a festa foi sempre pela metade. Eu esperei demais. Eu acreditei demais. Eu fui atrás de quem não merecia. Ninguém foi atrás de mim. Fui mais julgada do que julguei. Eu só queria ter sido abraçada e ter ouvido um "eu te amo" sem fantasmas, sem pesares e sem medos. Sem julgamentos. Eu queria ter feito alguém feliz por quem eu sou. Eu queria ter deixado meus medos de lado. Ficou claro que minhas palavras doces, fofas e sentimentais não fariam ninguém gostar de mim. O que gostam de você é seu corpo. A roupa que você veste. O que você tem no bolso. A sua cara de pau e o seu deixar de ombros. Ficou claro que estou sem nada, nem ninguém. A única pessoa que eu tenho ao meu lado, não me entende. Mas tudo bem... ano que vem será diferente, não é mesmo? Não é isso que dizem as superstições? As mandingas e as simpatias? Eu não posso deixar de dizer que amei como se não houvesse mais ninguém no mundo. Que sorri com as melhores sensações que eu tive. Que fui abraçada de noite, que tive amor pra recomeçar. Eu não posso deixar de dizer que amei, que fui amada e desejada. Mas, na verdade, eu só queria que tivesse sido mais simples... e menos doloroso.

CONVERSATION

0 comentários:

Postar um comentário

Back
to top