para Lu

Querida Lu,
Todos os dias eu volto pelo mesmo caminho. Mas só hoje pude reparar que aquele ponto de ônibus estava na minha rotina. Aquele ponto de ônibus que a gente ficava incansáveis horas pra voltar. Aquele ponto de ônibus que eu derrubei o prato de brigadeiro e você não parava de rir. Não sei, mas as vezes demora cair a ficha que você não está em sua casa como era de costume. Que você não vai preparar a torta de frango mais famosa da cidade. Fiquei minutos olhando para o ponto de ônibus e relembrando a melhor época da minha vida: a infância. Mas que só foi boa porque você estava nela. Porque você me chamava para ir ao teu encontro e me esperava neste mesmo ponto. Só valeu a pena minha infância porque tinha você me ensinando a desenhar pinheiros, cozinhando comidinhas e falando "não precisa tomar banho hoje". Meu deus, Lu. Que falta você me faz. É uma falta que dói tanto. Dói saber que nestes dias que custam o viver você não está aqui para eu fugir pra sua casa. Dói saber que eu não tenho seus braços para fugir. E olhando esse ponto hoje, mesmo depois desses longos anos sem você, dói saber que ainda falta muito pra gente se encontrar. Sinto sua falta, Lu. Sinto muito a sua falta. Mas, que sorte a minha ter você na minha lembrança. Que sorte a minha ter vivido ao seu lado. Espero que as dores na sua perna tenham aliviado. Espero que sua dor da vida tenha aliviado. Porque a minha saudade ainda não aliviou.

          Com meu amor de sempre 
(ou mais).

CONVERSATION

0 comentários:

Postar um comentário

Back
to top