Esperar.

ontem, fez quatro anos desde o término. A partir daquele dia, eu desejei você de volta desde o primeiro segundo sem você. Até me acostumar com a ideia de não ter com quem se preocupar, de não ter pra quem ligar quando eu precisasse falar de alguma coisa sem sentido ou que seria preciso de atenção, foi difícil demais. Os dias foram passando, a minha raiva floreceu (e eu não sei de onde) e eu tentava apenas seguir os dias, aprendendo, crescendo e sendo eu, pra que se um dia você voltasse, pudesse ver que eu queria você de novo. Quatro anos depois, eu te encontro na minha frente. Cabelo bagunçado e o mesmo olhar de sempre. O sorrisinho sem mostrar os dentes, as bochechas vermelhas e as mãos fechadas. Era como se tudo voltasse pra aquele dia 12, na escada, quando houve o fim. Será mesmo que houve? Bom, na verdade, o que eu venho pensando de uns dias pra cá é de como as coisas acontecem sem que a gente espere por elas. Não é como ganhar na loteria, porque a gente aposta esperando ganhar. Também não é como pular de uma ponte, porque a gente já sabe que irá se machucar. O fato é que esperar tem sempre o resultado que queremos (ou não). Mas e quando a gente não espera, o que acontece? Surpreende-se? Ou será que a gente se machuca ainda mais? E se não der certo e o que eu sentir for pro espaço mais uma vez, o que eu devo esperar? É engraçado o fato da minha cabeça não estar a mil por hora com tantas perguntas. É estranho pelo fato de parecer que não há mais o que temer, nem o que esperar. É como se o que aconteceu há quatro anos atrás servisse de alicerce pra o que viria depois. E será que não é assim mesmo? A gente pensa que é um erro, mas no fim, a gente fez o que devia fazer pra dar certo? Talvez seja o contrário, não sei. Enfim. Eu só sei e acho que só quero saber disso, de que quanto mais os dias vão chegando e as horas vão passando, meu desejo de ver você sorrindo quietinho só aumenta. E, na verdade, só de compartilhar mais uma vez a mesma besteira, a mesma graça e o mesmo carinho com você, todo o resto já foi válido e bem guardado.

CONVERSATION

0 comentários:

Postar um comentário

Back
to top