É quente, é frio

Dá tudo, que é nada
Tira nada, que é tudo
Vem, consome e vai embora
O nômade arrasador
O passageiro consumidor vem e vai, deixando apenas dor.
Vem como anestesia
Dilacera por dentro
Quando se vai, satisfeito
Deixa apenas a chaga exposta
E ainda é o sentimento mais lindo
E não pode deixar de ser
Preenche o vazio de viver
Envolto em teus braços
Ludibriantes da chama que queima sem arder
Enquanto o sangue derrama
A sensação mais confortante do ser
É o amor
Suave como uma prisão acolchoada
Repentino como a correnteza do rio.

Por: Gabriel Rizzo.
Do livro: Vida, Sentimentos e Emoções / Terceiro Médio.


ps; Convivemos tanto tempo com as pessoas e não percebemos que mesmo presa em seus pensamentos, envolto ao próprio mundo, ainda tem suas maneiras de surpreender os outros. Mas quem diria que apenas na despedida desses anos que descobriríamos que, por detrás dos desenhos e dos cálculos, há uma pessoa a se admirar. E agora, é uma felicidade extrema de poder dividir o que ele nunca dividiu com ninguém, ou que talvez, não tenha tido a chance certa para isso acontecer.

CONVERSATION

0 comentários:

Postar um comentário

Back
to top