Retalhos

Eu me perdia nos degraus e
você sempre dava risada
quando só me fazia entender Iggy Pop,
pra não deixar terminar meu livro que queria escrever

Amava minha colcha de retalhos,
quando ficavamos deitados contando
as borboletas da minha parede
ou quando deitava em teu peito
apenas para escutar teu coração batendo.

Nos encontravamos nas linhas paralelas da faixa de pedestre
esperando a chuva molhar nossos rostos
e o farol se abrir para os carros passarem
enxarcando nossas roupas com aquela água de beira rua.

Sentavamos em frente a uma biblioteca
pra falar de aulas de canto
com aquela mensagem subliminar
que sempre tirava um sorriso
de seu rosto quando esperava você sair
do trabalho

[...]

Os seus amigos eram tão falsos quanto os meus
que diziam ser teus também
mas que aos poucos tomaram tua inôcencia e
te transformaram num 'pseudo-salvador' que levava
aos corações, a luz que tanto diziam faltar.

Encontrei-me nos degraus,
depois de mais de 12 recaidas
vagando em dois meses sem teus pés
sob os meus.

Porra, é um mero fato a ilusão de um ser tão complexo quanto o próprio tempo.

Mas eu sei muito bem o que escolheu para nós
sermos eternos pedaços a nunca se encaixar
Tempo, espaço e contradição
se encontram para que eu possa voltar a dormir
lindamente nesse calor infernal que não aquece meu sonhar.


(e eu nunca vou gostar de candy, candy, candy i can't let you go que tanto cantava na MINHA escada)

CONVERSATION

1 comentários:

Back
to top