Falta


​​Eu me dei conta de que sou
​ uma​ espécie de 
atalho
​ para as pessoas​: ajudo no caminho sem nunca ser o 
ponto de chegada.

Não me completo porque no fundo eu espero algo que possa ser meu, mas que já pertence aos outros e porque todos já pertencem, de alguma forma. Ninguém é mais virgem de alma; coração. Carregam por aí paixões mal resolvidas, soluções mal apaixonadas, são metades vazias que não podem completar vida nenhuma.

​Mais um café. Eu tomei quatro xícaras hoje pela manhã, enquanto o dia amanhecia chuvoso. Eu tinha parado de tomar meu remédio pra ansiedade. Mas tive que voltar hoje. Eu parei de ouvir Radiohead em fevereiro. "Fake Plastic Trees” me faz chorar com uma menininha que perdeu seu urso de pelúcia. Mas voltei a ouvir. Até meus vícios que me deixam tristes ou drogados voltaram; e nada do teu rosto voltar.

E é engraçado, porque eu não sinto sua falta. Eu não queria que você voltasse. Óbvio que não. Mil vezes não. Jurei a mim mesma não sentir mais falta de ninguém além de mim. E continuo com esta promessa de pé.

Eu sinto falta é de mim quando eu estava com você. Eu sinto falta da minha cara de boba quando eu te via concentrado lendo tuas hq's idiotas. Eu sinto falta das borboletas, águias e até dinossauros no meu estômago quando você dizia que me amaria pela vida inteira. Eu sinto falta do brilho dos meus olhos ao entrelaçar meus dedos aos teus e caminhar pela noite.​

​Falta de ter um amor multifacetado. 
Desse que me dê a velha sensação de que tudo será eterno 
desta vez.​ 
Sinto falta de mim.

CONVERSATION

0 comentários:

Postar um comentário

Back
to top